Fique por dentro

Tendências que Moldam Nosso Futuro Climático

By 20 de dezembro de 2019 No Comments
carvão, sol e vento, fontes de energia. O uso do vento e do sol para reduzir o efeito estufa.

Menos carvão, mais sol e vento, estas são as tendências para o nosso futuro. Turbinas eólicas, painéis solares e veículos elétricos estão se espalhando muito mais rapidamente pelo mundo do que muitos especialistas previram. Mas esse rápido crescimento em energia limpa ainda não é rápido o suficiente para reduzir as emissões humanas de gases do efeito estufa e controlar o aquecimento global.

Essa é a conclusão da Agência Internacional de Energia, que publicou seu World Energy Outlook anual, um relatório de 810 páginas que prevê tendências globais de energia para 2040. Desde 2018, a agência aumentou significativamente suas projeções futuras para parques eólicos, instalações solares e carros movidos à bateria, isto porque essas tecnologias estão ficando mais baratas e países como a Índia continuam aumentando suas metas de energia limpa.

Mas o relatório também emite um alerta severo sobre a mudança climática, estimando que as políticas de energia que os países adotam atualmente possam fazer com que as emissões globais de gases de efeito estufa continuem aumentando nos próximos 20 anos. Uma razão: o apetite mundial por energia continua aumentando, e o aumento das energias renováveis até agora não foi rápido o suficiente para satisfazer toda essa demanda extra. O resultado: o uso de combustíveis fósseis, principalmente o gás natural, continua crescendo para suprir a demanda.

“Sem novas políticas em vigor, o mundo perderá suas metas climáticas por uma margem muito grande”, disse Fatih Birol, diretor executivo da agência.

Aqui estão algumas das principais sugestões do relatório:

Em breve a eletricidade renovável deve superar o carvão

O consumo mundial de carvão está começando a parar. O relatório observa que o investimento global em novas usinas a carvão desacelerou acentuadamente nos últimos anos, à medida que países como a Índia estão descobrindo cada vez mais que uma combinação de painéis solares e armazenamento de baterias pode ser uma maneira mais barata de produzir eletricidade.

De acordo com as políticas atuais, o relatório prevê que as energias renováveis, como a eólica, a solar e a hidrelétrica, ultrapassarão o carvão como fonte dominante de eletricidade no mundo até 2030, crescendo para 42% da geração global. O carvão cairia para 34%. O gás natural, mais limpo que o carvão, mas que ainda produz muitas emissões que promovem o aquecimento do planeta, também está pronto para reduzir a participação de mercado do carvão.

Ainda assim, a agência observa que o carvão está longe de morrer: centenas de usinas de carvão que já foram construídas na Ásia têm apenas 12 anos em média e são capazes de operar nas próximas décadas. Será extremamente difícil para o mundo reduzir rapidamente suas emissões de gases de efeito estufa, alerta o relatório, a menos que essas usinas existentes sejam executadas com menos frequência, aposentadas cedo ou adaptadas com tecnologia para capturar sua poluição por dióxido de carbono e enterrá-la no subsolo. Essa tecnologia de captura de carbono permanece cara e tem lutado para ganhar tração.

O vento aumenta

Durante anos, tem sido muito mais barato para a maioria dos países construir turbinas eólicas em terra, mas recentemente em lugares como o Mar do Norte da Europa, as empresas de energia estão instalando grandes turbinas no mar, capazes de colher os ventos mais fortes e constantes sobre o oceano. E os custos estão caindo rapidamente, tornando a tecnologia uma opção cada vez mais atraente para alguns países.

A energia eólica agora fornece 2% da eletricidade da União Europeia; a agência espera que a produção lá cresça nove vezes até 2040. As empresas também estão planejando novos parques eólicos grandes nos Estados Unidos, China, Coréia do Sul e Japão. Se os desenvolvedores puderem superar obstáculos regulatórios e de permissão, a energia eólica poderá se tornar uma ferramenta vital para reduzir as emissões nos próximos anos.

Carros elétricos x S.U.V.s

No ano passado, consumidores de todo o mundo compraram 2 milhões de carros elétricos, estimulados por uma combinação de queda nos custos de bateria e incentivos generosos a veículos em lugares como China e Califórnia. A agência espera que as compras de carros elétricos acelerem em todo o mundo e, como resultado, prevê que o uso global de gasolina e diesel para carros possa finalmente atingir o pico em meados da década de 2020.

Mas essa projeção vem com uma ressalva: mesmo enquanto os países promovem carros elétricos, um número crescente de pessoas nos Estados Unidos, Europa, China e Índia também está comprando veículos maiores, que consomem mais gasolina do que os carros convencionais. Em 2000, apenas 18% dos veículos de passageiros vendidos em todo o mundo eram S.U.V.s. Hoje, são 42%.

Se esse caso de amor com os EUA continuar, observa o relatório, poderia acabar com grande parte da economia de petróleo do nascente boom de carros elétricos. Uma questão-chave, então, é se as montadoras podem descobrir como fabricar e convencer as pessoas a comprarem versões a bateria do popular S.U.V.

Esforços de eficiência energética estão diminuindo

Birol observou que havia espaço significativo para melhorias em quase todos os países. “Dois em cada três edifícios em todo o mundo hoje estão sendo construídos sem códigos e padrões de eficiência”, disse ele. “E esses edifícios podem durar de cinco a seis décadas, portanto, o foco na eficiência é muito importante.”

O que acontece na África é crucial

O relatório deste ano também destaca o papel da África, projetada para urbanizar nas próximas décadas em um ritmo mais rápido do que a China nas décadas de 1990 e 2000. Se a África seguir o mesmo caminho para o desenvolvimento no uso pesado de combustíveis fósseis como a China, as emissões de gases de efeito estufa poderão aumentar consideravelmente.

Além de mudar para fontes de energia mais limpas, os países também podem reduzir suas emissões, melhorando a eficiência energética de suas fábricas, casas e veículos por meio de políticas como códigos de construção e padrões de economia de combustível.

Neste quesito, o relatório traz más notícias: em 2018, a intensidade energética da economia global, uma medida de eficiência, melhorou apenas 1,2%, uma das taxas mais lentas dos últimos anos. E muitos países estão enfraquecendo suas políticas, incluindo os Estados Unidos, onde o governo Trump planeja reverter padrões que exigiriam lâmpadas mais eficientes.

Mas, disse Birol, existem razões para pensar que os países africanos podem traçar um caminho mais limpo. O continente, por exemplo, atualmente possui cerca de 40% do potencial mundial de energia solar, mas ainda possui menos de 1% dos painéis solares do mundo. “Acho que o desenvolvimento de energia na África surpreenderá muitos dos pessimistas”, disse ele.

 

Original em:

https://www.nytimes.com/2019/11/12/climate/energy-trends-climate-change.html

12 de novembro de 2019 · Atualizado em 13 de novembro de 2019

Por Brad Plumer

Fotos: Pexels

Livre tradução J.S. comunicacao@spinsolar.com.br

Leave a Reply